Filtros de Acesso a Cortes Constitucionais

Editora: GAZETA JURIDICA (veja mais livros desta editora)
Autor(es): Daniela Allam (veja mais livros deste autor)

por: R$ 59,00 Em 2x de: R$ 29,50 No boleto: R$ 59,00 para Associados CAAPR
por: R$ 47,20

Comprar
Em estoque: Previsão de postagem em até 1 dia útil após a confirmação do pagamento, mais o tempo de transporte.
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 59,00 sem juros
  • 2x de R$ 29,50 sem juros
Avalie:

Ficha técnica

Código de barras:
9788567426471
Dimensões:
2.00cm x 14.00cm x 21.00cm
Edição:
1
Editora:
GAZETA JURIDICA
ISBN:
8567426472
ISBN13:
9788567426471
Número de páginas:
184
Peso:
184 gramas
Encadernação:
Brochura

Sinopse

Poucos temas, na atualidade jurídica brasileira, têm a importância e as consequências deste que é objeto do presente livro de Daniela Giacomet. A Justiça brasileira está congestionada da primeira à última instância, à espera de soluções ousadas e criativas que mudem práticas, paradigmas e resultados. O primeiro grau, onde reside o maior congestionamento, precisará ser salvo por uma mudança de mentalidade geral, que importe na redução da litigiosidade e na desjudicialização. O segundo grau terá de deixar de ser encarado como uma instância de passagem rumo aos tribunais superiores. Pelo contrário, é ali que como regra os processos deverão terminar, cumprindo-se o ciclo do devido processo legal. Conformar-se com esta realidade e aprimorar a composição e o funcionamento dos tribunais de segundo grau são tópicos essenciais para a futura racionalização do sistema processual. O acesso aos tribunais superiores e, notadamente, ao Supremo Tribunal Federal há de se dar por escolhas discricionárias. Não arbitrárias, como bem intui Daniela, mas, ainda assim, a definição do que será julgado - algumas dezenas em um universo de muitos milhares de recursos - sempre terá uma forte dimensão política. Daniela explica, com ideias arrumadas e exposição didática, os sistemas americano, francês e alemão. De cada um se podem extrair contribuições dignas de consideração. Em seguida, a autora expõe e critica o modelo brasileiro de repercussão geral, pelo qual se faz a filtragem dos recursos extraordinários entre nós. [...] Com base nas informações e reflexões por ela trazidas, será possível travar um debate público de qualidade capaz de produzir uma síntese que ajude a retirar a jurisdição constitucional brasileira da crise atual, marcada pelo congestionamento de processos, falta de filtros de acesso eficazes e com uma agenda imprevisível. Boa leitura a todos.